Se você, empreendedor, almeja expandir seu negócio, provavelmente já pensou em transformá-lo em franquia e várias dúvidas surgiram. Pensando nisso, preparamos esse artigo para explicar todo o processo de formatação de franquias, com direito a dicas de ouro para transformar o seu negócio!

Além disso, você também vai saber o que é necessário mudar na loja e quais os critérios deve considerar no momento de decidir sobre um sistema de franquia. Dessa forma, conseguirá tomar decisões mais bem-sucedidas, baseadas em informações de qualidade. Confira!

franquia

Como saber se esse é o momento certo para adotar uma franquia?

Antes de pensar em transformar seu negócio em franchising, você precisa analisar diversos aspectos. Essa não é uma decisão simples para o dono de uma empresa estabelecida e consolidada.

Com isso em mente, comece avaliando se a sua empresa é realmente uma organização rentável e se ela tem particularidades que façam com que seu produto, serviço ou modo de operar sejam únicos. Desse jeito, será possível avaliar se as pessoas teriam interesse em adquirir uma franquia da sua marca.

Para ajudar você a saber se esse é o momento certo, listamos abaixo as principais orientações de especialistas em franquias. Acompanhe os próximos tópicos para saber se é viável adotar o sistema de franquias para o seu negócio, além de definir se já pode dar esse passo!

 

1) Escalabilidade

O primeiro passo é saber se o seu modelo de negócio é replicável, pois somente dessa maneira será possível ganhar escalabilidade, algo fundamental para uma empresa se tornar uma franquia. Para isso, é preciso que sua forma de operar possa ser repetida a partir do modelo inicial.

Ser replicável é importante pela facilidade de atingir diferentes localizações, mercados variados e outros nichos, partindo do sistema de negócio criado inicialmente. Dessa forma, a expansão da franquia está garantida.

Outra grande vantagem de uma empresa escalável é o poder de negociação com os fornecedores para redução de custos de compra. Isso será conquistado por meio do volume comercializado e gerado dentro do sistema de franquias. Portanto, diminuir os gastos do setor de compras também traz o benefício da obtenção de tecnologia de primeira linha, algo fundamental nos dias de hoje para sustentar o crescimento da organização.

Portanto, tenha em mente que um negócio só consegue estruturar um sistema de franquias quando seu modelo de operação tem determinados padrões simples de serem reproduzidos em qualquer lugar.

Para isso, são necessárias características que possibilitem a criação de uma réplica fiel a partir do modelo inicial.

Ocasionalmente, algumas pequenas adaptações podem ser necessárias, devido à geografia ou alguma individualidade do mercado. Mas, no geral, é viável reproduzir com exatidão o modelo inicial para outros mercados e cenários, contando com pouquíssimas adaptações.

 

2) Barreiras de saída do negócio

Não basta apenas que seu modelo de negócio seja replicável. Ele precisa ser escalável. Isso significa que, depois de aprenderem como gerir a empresa, seus franqueados continuem vinculados a você e não abandonem a franquia para seguirem sozinhos.

O empresário que pretende transformar sua organização em um sistema de franquia tem a necessidade de garantir que aqueles que adquirirem o conhecimento disponibilizado pela sua rede de franchising não saiam e criem suas próprias redes.

Portanto, é indispensável ter alguma coisa que você consiga ensinar para os outros, de forma que eles repliquem esse padrão de empresa, mas que, ainda assim, seja interessante manter o vínculo com o franqueador.

Para isso, é fundamental que uma análise de viabilidade seja feita, para apontar se há margem suficiente no modelo de negócio proposto para o franqueado ter lucro e, ao mesmo tempo, conseguir pagar alguma remuneração ao franqueador.

 

3) Força da marca e sua imagem no mercado

Ter uma marca forte e que represente uma imagem consolidada do mercado é algo que está diretamente ligado ao sucesso do negócio e ao seu tempo de funcionamento. Isso também está relacionado à qualidade do produto ou serviço oferecido, e ao atendimento prestado.

 

4) Mix de produtos

Procure fazer uma análise de amplitude e profundidade do seu mix de produtos. Com isso, você irá garantir que seus clientes se sintam atraídos e fidelizados pelo que você vende. Ter a exclusividade de marcas ou de produtos também é um diferencial importante que reflete no posicionamento de mercado da sua empresa.

 

5) Know-how do negócio

Aqui entra a questão dos processos que envolvem a gestão e a operação da franquia, que precisam ser sólidos, consistentes, padronizados e devidamente documentados, a fim de serem replicados em larga escala e operados pelos donos das franquias.

 

6) Potencial de investimento e estrutura organizacional

O negócio que está considerando a possibilidade de se tornar uma rede precisa estar pronto para gerenciar suas franquias em termos de estrutura, mão de obra qualificada, gestão empresarial eficiente e organização interna. Além disso, é primordial dispor de capital para investimento em melhorias de processos e softwares para otimização de tempo e coleta de informações que auxiliem as tomadas de decisões.

 

Quais são os cuidados a serem tomados com o sistema de franquias?

O empreendedor que planeja implantar o sistema de franquias como canal de distribuição dos seus produtos ou serviços precisa avaliar seu perfil como empresário, além de tomar alguns cuidados básicos, que abordaremos a seguir:

 

Registro da marca

Uma franquia se define pela cessão dos direitos de utilização da sua marca pelo franqueado. Por isso, é imprescindível que o franqueador obtenha o registro da sua marca, ou seja, do seu nome comercial ou nome fantasia, bem como todas as imagens que são agregadas.

Caso ele tenha desenvolvido algum tipo de produto exclusivo, também precisa do registro dessas patentes.

Dessa forma, estará garantido o domínio da exclusividade, bem como a proteção contra eventuais cópias do produto ou serviço em questão. O registro de marca pode ser requerido por pessoas físicas ou jurídicas no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), com duração de dez anos e possibilidade de prorrogação.

 

Liderança e divisão de poder

Os franqueados também são empresários — tanto quanto o franqueador. Esse fato estabelece uma divisão de poderes, pois o dono de cada unidade de franquia é o responsável legal pela sua pessoa jurídica. Em razão disso, é esperado que todo franqueado queira fazer parte das tomadas de decisões que envolvem a marca do seu estabelecimento, a fim de resguardarem seus interesses.

Isso significa que o empreendedor que pensa em transformar sua empresa em uma rede de franquias precisa ter habilidade para liderar, dividir responsabilidades e decisões. Desse modo, franqueador e franqueados manterão um bom relacionamento, facilitando o cumprimento das diretrizes do negócio.

 

Relação saudável

A relação saudável entre a franqueadora e seus franqueados é considerada o principal pilar para que uma rede de franquias seja bem-sucedida. Esse bom relacionamento não está atrelado apenas aos resultados financeiros de cada loja. O vínculo precisa ser pautado por uma parceria sólida, em que ambos se ajudam.

Afinal, estamos falando de uma relação de dependência mutua, já que, da mesma forma que o franqueado precisa do franqueador para iniciar seu processo de vendas, captação e retenção de clientes, a recíproca é verdadeira, visto que o franqueador precisa dos donos das suas unidades para garantir a expansão da rede.

 

Compartilhamento de informações

Procure ter um setor de comunicação interna bem estruturado, para que seus franqueados estejam sempre bem informados em relação a tudo o que diz respeito à marca. Quanto mais munidos eles estiverem de conhecimento a respeito do negócio, melhor será o trabalho desenvolvido em cada unidade da franquia.

Você garantirá que eles estejam seguros para suas tomadas de decisões, além de assegurar a credibilidade da sua rede. Afinal de contas, o boca a boca entre franqueados e para outros empresários é uma realidade. Use isso a seu favor para disseminar os pontos fortes do seu modelo de franquia, ampliando sua visibilidade e crescimento.

 

Capacitação dos franqueados

Providencie a integração entre os donos das unidades de franquia da sua rede. Isso pode ser feito por meio de reuniões em feiras e eventos do setor. Incentive a participação de todos nesse tipo de iniciativa.

Organize treinamentos regularmente para manter os seus franqueados atualizados sobre as tendências do mercado, bem como sobre a forma de implantar possíveis novidades desenvolvidas pela franqueadora.

 

Assessoria aos franqueados

Para dar um suporte eficiente aos seus parceiros de negócio, a franqueadora deve ter uma equipe fixa, multidisciplinar e totalmente dedicada a instruir e assessorar os seus franqueados. Eles devem ser orientados quanto ao cumprimento dos padrões da marca, modelo de operação do negócio ou mesmo em relação a ações com foco no impulsionamento de resultados.

O time de suporte aos franqueados também deve ter como responsabilidade a realização de avaliações de desempenho e o monitoramento de toda a rede de franquias, com o objetivo de certificar que todas estejam atendendo às expectativas.

 

Questões legais

É preciso estar atento à regulamentação legal do sistema de franquias, que se baseia na lei 8.955/94, também chamada de Lei do Franchising. Ela foi instituída para estabelecer uma relação de transparência entre a franqueadora, o franqueado e os candidatos à franquia.

Os principais documentos que norteiam as questões legais em uma relação de franquia são a Circular de Oferta de Franquias (COF) e o Contrato de Franquia. Algumas redes também têm um pré-contrato como parte de suas práticas administrativas.

 

O que é necessário considerar no momento de decidir por um sistema de franquias?

Sem dúvidas, o sistema de franquias é uma ótima opção para expandir os negócios, pois permite que a empresa cresça com investimentos que não virão apenas do dono da empresa, mas também dos franqueados.

Mas, ao decidir por esse formato, é preciso que algumas questões sejam consideradas para que você execute todo processo da melhor forma.

 

Faça uma análise de mercado

Para não correr o risco de colocar sua empresa no caminho errado, você precisa estar seguro da aposta que vai fazer para a expansão dos negócios por meio do sistema de franquias. A análise de mercado é uma grande ajuda para essa tomada de decisão.

Com uma pesquisa de mercado corretamente elaborada, o empreendedor poderá identificar se é o melhor momento para franquear sua empresa, quem são seus potenciais compradores, o perfil do franqueado, entre outras informações essenciais para embasar sua escolha.

A análise de mercado também é essencial para traçar o perfil do consumidor final, que será de extrema importância para que seu franqueado formule ações de marketing voltadas para o público correto, obtendo, assim, sucesso nas vendas e no faturamento.

 

Planeje o modelo de negócio

Sabe aquela história de que o combinado não sai caro? Pois é. Isso vale também para a relação entre franqueadora e franqueado. Por isso, tudo deve estar devidamente alinhado entre ambas as partes, para que a gestão da qualidade e de processos seja eficiente.

Pense em quais serão os produtos ou serviços que o franqueado poderá comercializar. Desenhe como será a relação com os fornecedores, quem serão as empresas cadastradas para compra de insumos e como será a sua relação como franqueadora com eles.

Também é válido determinar como serão os treinamentos de franqueado e a que tipo de suporte eles terão direito, bem como qual será a base de cálculo para o pagamento da taxa à franqueadora como contrapartida mensal (taxa de franquia, royalties etc.).

Invista no desenvolvimento de um bom manual para seus franqueados. Aqui, além dos itens citados acima, você também deverá comunicar a missão, visão e valores da marca. Fornecer um manual que seja esclarecedor é algo fundamental para auxiliar o fraqueado na sua rotina diária de trabalho, de modo que ele seja um gestor eficiente.

 

Elabore um bom contrato

Não economize tempo nem dinheiro para que um bom contrato seja formulado. Afinal, ele ditará as regras entre a franqueadora e o franqueado. É preciso definir questões sobre investimento, localização, ponto comercial, renda da franquia, tempo de retorno estimado, entre outros pontos.

O importante aqui é que todos os direitos e deveres de cada um estejam planejados para que a franquia opere de acordo com as exigências estabelecidas pelo padrão da rede.

Por isso, cada detalhe do texto precisa ser bem estruturado, para que as normas vigentes sejam cumpridas da forma devida ou, caso isso não aconteça, as penalidades apropriadas sejam aplicadas.

Não faça isso sozinho. Contrate advogados especializados em sistemas de franquias. Esse é um investimento extremamente válido, pois evitará que, mais para frente, você passe mais tempo resolvendo pendências judiciais do que gerenciando sua empresa.

 

Tenha um bom plano de expansão

Você pode optar tanto por ter um plano de expansão mais agressivo, visando ao crescimento em todo o território nacional mesmo que ainda tenha pouco tempo de atuação no mercado. Ou então, você pode escolher por ser mais conservador, com a abertura de unidades em uma área geográfica mais restrita.

Não há uma formula para delinear um plano de expansão correto. Tudo deve ir de acordo com o perfil do franqueador. São muitos os elementos que devem ser considerados para que a melhor estratégia de crescimento da franquia seja definida.

Feito isso, está na hora de estipular quais serão os tipos de franquia a serem comercializadas pelo franqueador. Existe a possibilidade de oferecer apenas franquias unitárias, ou de optar pela entrega de áreas maiores para subfranqueadores ou desenvolvedores de áreas.

O essencial mesmo para um bom plano de expansão é que sejam bem definidas as localizações geográficas nas quais o franqueador deseja estar presente, em quanto tampo ele pretende que isso aconteça, com quem e qual o valor total calculado para implantação desse plano de crescimento.

Procure fazer tudo isso com calma, pois uma tomada de decisão errada e feita às pressas pode ter um impacto extremamente negativo na sua estratégia de expandir sua empresa com o sistema de franquias.

 

O que é preciso mudar em meu negócio?

O sistema de franquias é um dos modelos mais conceituados para expandir seus negócios. E, caso você queira optar por se tornar franqueador, antes de mais nada, é preciso avaliar se sua empresa preenche alguns requisitos básicos.

Para saber se o seu negócio é de fato franqueável, busque analisar sua lucratividade, se ele promove um retorno adequado, se é atraente aos olhos dos potenciais franqueados, se é facilmente replicável e quais são as características que o tornam único.

Depois de realizadas todas essas avaliações e preenchidos esses requisitos, está na hora de seguir em frente com o processo de transformar sua empresa em uma rede de franquias.

 

Tenha em mente que você estará criando um novo negócio

A expansão de rede por meio do sistema de franquias não significa que o empresário terá a mesma administração do seu negócio. Na verdade, é como uma nova empresa sendo aberta. É preciso desmembrar o que é o seu negócio e o que é a expansão da rede de franquias.

O empresário que está adotando esse sistema tem a necessidade de entender que é um novo negócio que está sendo criado.

Para tanto, é indispensável uma certa preparação para a organização dessa gestão. Afinal, a franquia formata o que já está sendo feito pelo empreendedor com uma gestão excelente, para que outros empreendedores possam adquirir esse processo e replicá-lo.

Você deve dedicar tempo para tocar o desenvolvimento desse projeto. Para isso, procure separar diferentes momentos para gerir o seu negócio, que já está em pleno funcionamento, e para formatar a criação desse sistema de franquias da sua empresa.

 

Crie um planejamento estratégico

Muitas vezes, como o dono do negócio foi o responsável pela criação de muitos processos e produtos dentro da organização, ele acaba criando um apego emocional por tudo isso. Mas, durante a transformação para o sistema de franquias será necessário abrir mão de algumas coisas, caso seja identificado que aquilo não funciona dentro da metodologia de replicabilidade.

Para organizar tudo isso, você precisa criar um planejamento estratégico. Nele, deverão constar quais serão as estratégias com foco no longo prazo da empresa, para que todos saibam quais são as metas a serem perseguidas. Procure considerar fatores internos e externos relativos ao seu negócio para elaboração desse planejamento, como o cenário da economia global e a situação do setor de atuação da empresa.

Uma ótima ferramenta para basear o planejamento estratégico é a análise SWOT. Ela é uma forma de auxílio no mapeamento das Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats) que envolvem o negócio, ou seja, um diagnóstico completo em relação aos elementos internos e externos do cenário em que ele está inserido.

É com base no planejamento estratégico que você vai elaborar o seu orçamento empresarial. Ele nada mais é do que o desdobramento desse plano na forma de números. O propósito de compor um orçamento empresarial é estimar e planificar os ganhos, as despesas e os investimentos que o seu negócio terá.

Geralmente, esse orçamento é desenhado para o período de um a três anos. Ele permitirá que o empresário conheça por completo as necessidades financeiras do negócio e saiba os valores que estarão disponíveis para investimento na transformação rumo ao sistema de franquias, possibilitando tomadas de decisões mais efetivas para que seu plano de se tornar um franqueador se torne realidade.

 

Conclusão

Nossa principal sugestão é que você não tente efetivar todo esse processo sozinho. Procure uma consultoria empresarial para auxiliá-lo em todas as fases do projeto, para que tudo seja estruturado com uma base sólida e gere frutos por muitos anos.

Aqui, explicamos para você como expandir sua empresa com o sistema de franquias. Vimos que, antes de mais nada, você precisa avaliar diversos aspectos, como a capacidade do seu modelo de negócio ser replicável, suas barreiras de saída, a rentabilidade da empresa, além da força da sua marca.

Alguns cuidados também necessitam de atenção especial, como a elaboração de um bom manual para seus franqueados, contratos bem desenhados, com direitos e deveres de ambas as partes, o registro da sua marca e de produtos exclusivos, e um modelo de gestão que seja compartilhado com os donos das franquias que você pretende vender.

Gostou deste conteúdo? Para ter mais informações sobre o sistema de franquias e outras questões a respeito de consultoria empresarial, entre em contato!

Categorias: Franquias

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *